VICTOIRE PARTIELLE AU PORTUGAL

 Jusqu’ou peut-on pousser des personnes sans revenus .Ce n'est pas la plus grande des manifestations ni la plus populaire mais surement celle avant l'explosion  .  Après des semaines de négociations et deux manifestations les forains portugais peuvent enfin réouvrir mais uniquement dans les parcs et non pas dans les petites fetes . Bien sur en respectant les règles sanitaires en vigueur . Il aura fallut manifester de manière bruyante devant la DGS( Direction Générale de la Santé ) à Lisbonne Ceci aura servi de déclenchement et de ce fait a permettre a une partie des forains de recommencer a travailler . La suite pour bientot Ce qu’il faut savoir c’est qu’au Portugal aucune aide ne permet au forains de vivre et la saison c est arrêtée en novembre . 50 pour cent des forains n’ont plus rien pour vivre et essayent de trouver des travaux mais comment faire dans un pays ou l’économie s’effondre ?  3 photos sont dedicacées a mon ami Filipe Anjos Silva  et sa femme Sophie Dubos  . 

 

PORTUGUÊS 

VITÓRIA PARCIAL EM PORTUGAL

QUANDO A MISERIA O EMPURRE
Até onde podemos empurrar pessoas sem renda: não são as maiores nem as mais populares manifestações, mas certamente a que antecede a explosão. Após semanas de negociações e duas manifestações, o recinto de feiras português pode finalmente reabrir, mas apenas nos parques e não nos pequenos festivais. Obviamente, respeitando as regras de saúde em vigor. Foi necessário fazer uma demonstração ruidosa em frente à DGS (Direcção Geral da Saúde) em Lisboa. Isso serviu de gatilho e, portanto, permitiu que alguns dos recintos de feiras voltassem a trabalhar. A sequência para breve O que você deve saber é que em Portugal nenhum auxílio permite que o recinto de feiras viva e a temporada c é interrompida em novembro. 50% das pessoas do recinto de feiras não têm mais nada para viver e estão tentando encontrar trabalho, mas como você faz isso em um país onde a economia está entrando em colapso? 3 fotos são dedicadas ao meu amigo Filipe Anjos Silva e sua esposa Sophie Dubos.

PORTUGAL